teste minha imagem
Google+

Dica Nível Intermediário

Princípios Básicos: Exposição

As câmeras Canon têm a tecnologia mais recente para fazer a melhor exposição da sua foto automaticamente, mas é no modo manual que você pode sair do óbvio e impressionar com uma foto realmente criativa.

A fotometria (medição de luz) da foto é o que determina a claridade da imagem, seja ela a correta, quando o fotômetro está centralizado, subexposta (mais escura) ou superexposta (mais clara).

O tema pode parecer complexo à primeira vista, mas são apenas três configurações da câmera que interferem na exposição. O ISO, o obturador e o diafragma podem deixar a foto mais escura ou mais clara, mas cada um tem suas limitações. Saber balancear os três de acordo com a situação é o segredo dos bons fotógrafos.

O ISO determina a sensibilidade do sensor da câmera à luz. Quanto maior a sensibilidade, maior será a capacidade da câmera de captar luminosidade. Porém, note que ao usar um ISO alto você terá mais ruído na sua imagem. Se quiser uma imagem completamente nítida, você precisará usar um ISO baixo e compensar no obturador e no diafragma para conseguir a exposição correta.

Com um ISO baixo, as flores ficam definidas e o ruído é quase zero. Ideal para situações em que as cores são o mais importante da foto. 

1/160 seg f/5 ISO 640 Canon EOS 6D / EF 50mm f/1.8 II

Também conhecido como cortina, o obturador é onde você define o tempo que a foto levará para ser captada. Quanto maior o tempo de abertura dessa cortina, mais luz entrará e a sua imagem se tornará mais clara. Todavia, ao trabalhar com velocidades mais lentas é provável que sua imagem saia tremida devido à instabilidade das mãos ou o movimento do assunto fotografado. Para se fotografar pessoas paradas, por exemplo, é indicado uma velocidade mínima de 1/80 avos de segundo.

Na foto abaixo, em que o objetivo era congelar um soco de um lutador profissional, foi necessário o uso de uma velocidade muito rápida. Essa redução da entrada de luz precisou ser compensada aumentando o ISO e abrindo o diafragma para atingir uma exposição ideal.

 

1/400 seg f/4 ISO800 Canon EOS 7D / EF 70-200mm f/2.8L USM

O terceiro elemento determinante na exposição chama-se diafragma e fica situado na lente, ou seja, cada modelo tem uma abertura mínima diferente. Quanto maior for o número do diafragma, menor será o orifício pelo qual a luz passará para chegar até o sensor da câmera. Um diafragma f/2.8, por exemplo, permite mais entrada de luz do que um f/4. Contudo, quanto maior for essa entrada de luz, menor será a profundidade de campo na sua imagem, desfocando o plano de fundo.

Se você quiser tudo em foco, precisará fechar bem o diafragma e compensar a exposição no ISO e no obturador. Repare como o foco está presente nos arbustos da frente até o horizonte:

1/250 seg f/11 ISO 200 Canon EOS 6D / EF 16-35mm f/2.8 L II USM

Mas como saber se a exposição está correta antes de fazer a foto? Para isso serve o fotômetro, aquela régua que fica logo abaixo da imagem no visor ocular.

Fotômetro
Fotômetro

Quando o indicador está no centro, significa que a imagem está exposta corretamente, se está à esquerda é porque está escura, e se está à direita é porque está muito clara. Mas como ele sabe qual a exposição certa?

Para aumentar a precisão do fotômetro, é preciso calibrar esse medidor de luz de acordo com o tipo da foto. Os modos de medição são matricial, parcial, pontual e ponderado.

   O modo matricial, que leva em consideração toda a imagem, é propício para quando todas as áreas da foto devem ficar em equilíbrio de luminosidade.

Repare como o modo matricial funcionou bem na foto abaixo sem grandes diferenças de luminosidade. Tudo aparece balanceado.

 

1/60 seg f/4 ISO 800 Canon EOS 6D / EF 50mm f/1.8 II

    A medição parcial é ideal para quando apenas a área central deve ser analisada na fotometria, deixando as extremidades da foto subexpostas ou superexpostas.

Na imagem abaixo o céu aparece superexposto, mas, na área central – onde está o assunto da foto –, a exposição está correta.

1/125 seg em f/8 ISO 125 Canon EOS 6D / EF 16-35mm f/2.8L II USM

     Medição pontual é quando apenas uma pequena área no centro da imagem é avaliada para a fotometria. Ideal para situações como a da foto abaixo, quando há um pequeno ponto de interesse e o restante da foto pode ficar com o fundo claro ou escuro. No caso de o objeto não estar no centro, deve-se fazer a medição com ele centralizado e depois disso deslocá-lo para a posição desejada.

A maior parte da imagem está subexposta, mas o soldador está com a iluminação ideal.

 

1/160 seg f/3.2 ISO 200 Canon EOS 7D / EF 50mm f/1.8 II

     O modo ponderado com realce na área central é o intermediário entre as medições matricial e parcial. Indicado para quando o assunto no centro da imagem é o mais importante mas as extremidades não podem ficar muito mais escuras ou claras.

 Veja como o céu à esquerda não está totalmente superexposto, o que aconteceria se o modo parcial tivesse sido usado. Veja também como a árvore (que está na contraluz) não está escura, para que esse céu apareça. Esse meio-termo é a mágica desse método de medição.

 

1/320 seg f/3.5 ISO100 Canon EOS 6D / EF 16-35mm f2.8L II

Agora você já domina o fotômetro e está pronto para treinar seu olhar com fotos criativas. Lembre-se de que, ao fotografar no formato RAW em vez de JPG, você tem a opção de alterar a exposição da foto para mais clara ou escura quando a estiver editando no seu programa preferido. Isso costuma reverter a maioria dos erros leves de exposição e lhe permite decidir com mais calma qual a claridade ideal para a sua foto.

Para continuar treinando, acesse o Simulador do Canon College!

Comentários

Deixe seu comentário
Fabio Silva

Muito bom !

Que bom que curtiu, Fabio! Fique ligado também em nossa fanpage no Facebook e compartilhe seus cliques conosco! http://bit.ly/2asoifD

Sandro Gomes

nossa, excelente =) esta me ajudando muito. meus parabéns.

Livio Silva

Estou começando a praticar com minha T5i. As dicas estão sendo bastante úteis, principalmente pela simplicidade como são expostas. Grato.

CARLOS HENRIQUe petry

ADOREI AS EXPLICAÇÕES... MUITO ÚTIL... MUITO OBRIGADO.

Zepa Bern

Muito legal. Vocês têm que postar mais mini-aulas desse tipo!

Glauber Alves

Usaram uma linguagem bastante simples e de forma direcionada conseguiram exemplificar cada elemento abordado. Parabéns

Rômulo Barreto Matos

Excelente, vou começar colocar em prática.

CASEMIRO PARADELLA

As três variáveis mais importantes no controle da foto iluminação, balanceamento e profundidade de campo

Vicente de Paula  Mundim

Ótimas dicas, hoje para o sistema digital devemos reciclar sempre.

Rodrigo Esteves Nasser

Dica excelente parabéns! pelo conteúdo extremamente rico ajudou muito!

Paulo Roberto de Oliveira

Que aula cara. BEST, era tudo que precisava no momento. Obg pelas dicas da hora.

Bernardo Sanmartin de Almeida

Muito interessante ainda tenho dúvidas sobre essas medicoes.

Treze Locações

Parabéns pessoal