teste minha imagem
Google+

Dica Nível Básico

5 dicas para fotógrafos iniciantes

Se você está dando os primeiros passos na fotografia, precisa entender que alguns elementos são vitais para garantir as boas fotos que pretende fazer.

Listamos cinco pontos de partida para que você comece muito bem no mundo da fotografia.

1 – Saiba quais são as responsabilidades do diafragma, obturador e ISO.

Esse são os três elementos básicos da fotometria em uma câmera. Ou seja, são eles as 3 formas de controlar a quantidade de luz na foto (exposição da foto). Saber o que cada um faz, além desse controle de luz,  determina profundamente a linguagem de suas próximas fotos.

O diafragma fica na lente. Ele é responsável pela quantidade de luz que entra em sua câmera, passa pelo obturador,  atinge o sensor e, finalmente, gera a imagem.

Ele trabalha num processo de fechamento e abertura. Então, quanto mais aberto o diafragma estiver, mais luz atinge o sensor da câmera.

A abertura do diafragma é representada pelo símbolo "f/" e quanto mais próximo de 1 for o número que segue o símbolo, mais aberto ele estará.

Por exemplo, se o diafragma estiver em f/2, ele está bem mais aberto do que se estivesse em f/8.

O obturador é uma espécie de janela posicionada à frente do sensor e é responsável pelo tempo que a luz fica sendo projetada em sua câmera.  Quanto maior o tempo que ele ficar aberto, mais luz você terá na foto. Quanto menor o tempo ou a fração de segundo que ele permanecer aberto, menos luz você terá na foto.

É o obturador quem determina o tipo de foto realizada no que tange ao registro de assuntos em movimento. .

Por exemplo, se quiser congelar apenas um momento exato de um pulo, você precisa trabalhar com velocidades altas. O obturador irá se abrir e fechar muito rapidamente, ficar pouquíssimo tempo aberto e captar apenas uma fração deste movimento.

O mesmo vale para aquelas fotos em longa exposição. O obturador fica aberto por um tempo maior, de forma a registrar o rastro das luzes ou elementos em movimento.

Um bom exemplo de fotos em longa exposição são as imagens feitas com uma técnica chamada "Light Painting". São aquelas fotos famosas em que é possível "desenhar" com a luz. Abre-se o obturador por tempos maiores e um ponto de luz é movimentado diante da câmera. Isso gera um rastro luminoso que é totalmente registrado pela câmera.

O obturador trabalha com velocidades variáveis, inclusive frações de um segundo (1"). Então, quando você coloca a velocidade em 1/60, por exemplo, quer dizer que o obturador vai abrir e fechar em sessenta-avos de segundo.

Partindo deste ponto, você pode ter noção de que velocidade usar para a foto que deseja fazer.

 Foto: Mauricio Santana

 Já o ISO é responsável pela sensibilidade do sensor à luz. Quanto maior for seu número, maior será a capacidade de captar a luz do ambiente ou vice-versa.

Mas não se precipite: o ISO imita a relação de luminosidade dos filmes analógicos versus a qualidade dos tons da imagem, principalmente os mais escuros. Se você usar um número muito alto, pequenos “grãos” podem aparecer em sua imagem, o chamado “ruído”, pois a câmera tenta compensar a falta de luz do ambiente e "força" o sensor.

Repare abaixo diferença entre uma foto com um ISO bem mais alto e outra com o ISO ideal. A primeira parece ter pequenos grãos para a imagem. Já a segunda traz uma textura mais limpa.

 ISO elevado.


ISO ideal.

Fotometrar bem é criar uma harmonia entre todos esses elementos e deixar a foto com a quantidade de luz necessária: nem a mais, nem a menos.

2 – Entenda os modos de sua câmera.

Para fotografar o que você deseja é essencial entender que modos de trabalho sua câmera tem e o que cada um deles faz.

Por exemplo, as DSLRs Canon têm modos como  o "Av", em que sua câmera prioriza apenas a  mudança de diafragma. Ou seja: você escolhe a abertura do diafragma e sua câmera controla o restante (ISO e velocidade) automaticamente.

Já o modo "Tv" corresponde à manipulação apenas da velocidade do obturador.

O modo Esportes é ideal para captar imagens em alta velocidade. A câmera já trabalha com configurações perfeitas para captar aquele exato momento de um movimento.

No modo Manual é tudo com você. Todas as configurações estão em suas mãos. Nesse caso, você precisa ter maior controle e domínio da câmera, mas no por outro lado, suas fotos podem ficar muito mais personalizadas.

Cada função tem uma aplicação prática e podem ajudar muito em todas as situações de foto que você deseja. O ideal é que você conheça e explore todas elas com tempo para entendê-las melhor.

3 – Trabalhe a composição. Use a regra dos terços.

Você já ouviu falar da regra dos terços? Se não, procure saber. Ela é um dos maiores auxílios que um fotógrafo pode ter, principalmente no começo da busca de um fotógrafo por uma linguagem própria

A regra dos terços ajuda a dar mais harmonia para suas fotos. São linhas que dividem a composição em terços na horizontal e na vertical e que dão referências para a composição das imagens.

Existem outros métodos que ajudam a compor as imagens, mas, com certeza, a regra dos terços é um dos mais utilizados.

Se você quiser saber mais sobre composição e regra dos terços, clique aqui e leia o texto "Dicas para fotos bem compostas".

 (Foto: Thais Vandanezi)

4 – Quer aquele fundo desfocado? Trabalhe com o diafragma aberto.

Todo mundo gosta de uma foto bonita e com aquele fundo desfocado, não é?

Saiba que a foto com fundo desfocado tem uma relação direta com o diafragma da sua lente. Quanto mais aberto ele estiver, mais intenso será esse desfoque em sua foto.

É também por isso que as lentes que possuem maior capacidade de abertura têm valores diferentes. Elas têm maiores possibilidades de foto e, claro, a capacidade de captar imagens em ambientes com menos luz.

Quer fazer fotos com fundo desfocado? Pode abrir o diafragma, pois quanto mais aberto estiver o diafragma, menos elementos estão em foco.

5 – Procure a luz ideal.

A palavra fotografia vem do grego e significa “a escrita da luz”. Sempre que estiver com a câmera na mão, procure cenários com luz. Por mais que você queira uma foto mais intimista e com luzes pontuais, a câmera só vai conseguir registrar uma imagem se houver uma informação de luz para captar.

Você tem muitas possibilidades de luz: pode ser natural como o sol e artificial como flashes e spots. Mas sempre procure iluminar bem sua foto e, claro, de acordo com a linguagem que você quer dar às suas fotos.

Uma dica bem rápida: observe a intensidade e distância da luz para a pessoa ou objeto que deseja fotografar. Isso interfere diretamente no "desenho de luz"que você quer fazer.

Luzes mais fortes e diretas tendem a gerar sombras mais contrastadas e marcadas. Um bom exemplo é a luz do sol ao meio-dia. Ela é bem intensa.

Já luzes mais difusas criam uma textura muito mais  suave e homogênea. Por exemplo, quando a  luz do sol entra por uma janela e passa por uma cortina, a tendência é que ela fique mais branda e gere uma iluminação mais difusa, o que dá uma textura mais suave.

-----------------

Procure conhecer sua câmera e a fotografia. Domine bem todas essas regras, pois só assim você poderá realizar as imagens que deseja com muita fidelidade e, quem sabe, até quebrar essas regras para ter fotos muito criativas.

Fotografe muito!

Comentários

Deixe seu comentário