teste minha imagem
Google+

Blog 11.07.2017

Os segredos da fotografia Trash It

Estou sempre agitado, com uma inquietação natural por inovação e por formas cada vez mais reais de expressão em minha fotografia. Depois de muitos anos fotografando casamentos e outros estilos, em 2010 descobri o Trash the Dress ou Trash It e comecei a realizar ensaios neste estilo.

Ensaios Trash It são realizados logo após a cerimônia de casamento, quando os noivos vão se desvencilhar das roupas de casamento e viver a vida. Por isso o nome Trash the Dress (algo como "estragar o vestido"), pois eles vão para lugares incomuns ao ritual tradicional do casamento e fazem um ensaio diferente.

O ensaio acontece quando os noivos já estão totalmente descontraídos, depois do casamento e sem muitas regras e preocupações; particularmente, do jeito que eu gosto de fotografá-los.

O começo

Na época, saí de Maringá, no Paraná – onde o mercado da fotografia Trash It já estava aquecido – e voltei para minha cidade, Jaú, no interior de SP.

Ninguém conhecia esse tipo de fotografia por aqui e então vi uma grande oportunidade para o negócio.

Esse tipo de ensaio é uma ótima oportunidade para conseguir grandes fotografias, pois existe o sonho da pessoa de ter fotos em lugares inusitados, então explorar a criatividade é a regra.

Logo quando descobri o Trash It, comecei a pesquisar na internet fotógrafos internacionais e nacionais que já faziam esse tipo de fotografia. Surgiram alguns nomes e isso me deu ainda mais gás. Alguns nacionais são Anderson Miranda, Everton Rosa e Adriano Gonçalves. Alguns internacionais, Jim Garner, Fer Juaristi e Daniel Aguilar.

Produção, locação e direção com o Trash It

Tenho uma forma muito espontânea de trabalhar com meus clientes e acho que por isso tem dado tão certo: nunca tento vender algo forçado para eles.

Tenho os trabalhos expostos e, caso eles se interessem, explico como funciona. Se topam, sugiro que escolham um lugar com o qual tenham sintonia e pelo qual sintam apreço. Dependendo dos clientes, pode ser natureza, praia, cerrado, campo... Algum lugar em que eles se sintam com o espírito em paz.

Mesmo assim, é comum os noivos pedem opções de lugares onde eu gostaria de clicá-los. E acabam escolhendo os que eles mais se identificam.

A produção e a iluminação em si dependem muito da locação: se queremos fotografar ao nascer ou ao pôr do sol, se queremos uma luz mais soft ou hard. Normalmente fazemos de 3 a 4 horas de fotos e, geralmente, vou com um assistente, embora já tenha realizado ensaios sozinho também.

Independentemente da locação, o mais importante é que o fotógrafo tenha a sensibilidade de saber como os clientes desejam ser representados na fotografia. É essencial que ambos estejam extremamente dispostos. Isso também depende muito do fotógrafo ao envolver o casal com a proposta. Eles precisam estar à vontade com você e com o local.

Tenho uma forma própria de dirigir o casal: não dirijo.

Parece insano, mas é totalmente possível. Eles adquirem uma confiança tão grande que, quando menos percebem, estão na posição perfeita. Uma coisa que sempre falo é que precisamos contar histórias: o que é mais importante para aquelas pessoas? A que elas dão valor? Assim, não há uma receita a seguir, mas ouvir o seu cliente e deixar isso o guiar.

Equipamentos

Eu gosto de contar histórias. Curto sentir o calor e o momento. Por isso, tudo que uso precisa estar em sintonia comigo.

Os equipamentos que escolho hoje me trazem uma qualidade ímpar nas imagens. As lentes têm um nitidez incrível, aumentando o valor perceptível do meu trabalho, me dando segurança e qualidade.

Uso a EOS 5D Mark III com lentes de até 50mm de distância focal – as que utilizo são a EF 35mm f/1.4L USM e a EF 50mm f/1.2L USM).

Já para trabalhar com lentes acima de 85mm, utilizo a EOS 6D e as lentes EF 85mm f/1.8 USM e a EF 135mm f/2L USM.

Fiz esse jogo de lentes nas respectivas câmeras, pois noto uma convergência melhor entre esses equipamentos.

----------

A fotografia Trash It pede um novo olhar sobre a fotografia de casamento e muita criatividade. Justamente por exigir criatividade, o Trash It é um campo ótimo para experimentar formatos e novas fotos na fotografia de casamento. Quem quiser entrar neste universo, precisa buscar muita referência e experimentar o novo sempre.

Com certeza, fazer fotografia Trash It é uma experiência única para qualquer fotógrafo.

Publicado por: Rafael Bigarelli Categoria: Inspire-se

Comentários

Deixe seu comentário