teste minha imagem
Google+

Blog 21.02.2017

Fotografando um safári na África

Há pouco tempo, tive a chance de ir até a África do Sul e, claro, não perdi a oportunidade de fotografar alguns safáris por lá.

 (Foto: Dani Petrucci)

Safáris são muito comuns na África. Os passeios são oferecidos e comprados nas recepções dos hotéis mesmo. Aliás, os safaris são muito culturais para os sul-africanos. É quase o futebol deles.

Dizem que ir para a África do Sul e não ir a um safári é quase como não ter ido até lá. Por isso, eu tinha mesmo que registrar essa experiência

Nossos guias rapidamente perceberam que éramos fotógrafos por conta do nosso equipamento. Por isso, eles ficavam mais atentos aos nossos movimentos e nos “repreendiam” com mais ênfase.

Isso aconteceu talvez porque nos considerem – fotógrafos – muito afoitos para fazer as fotos e, em muitas vezes, somos. Não abandonaríamos uma boa foto assim tão fácil.

Mas é bem importante ouvir os guias: eles conhecem o local e o comportamento dos animais. Para a nossa segurança, suas instruções são essenciais. Com o tempo, fomos aprendendo isso.

Levamos algumas broncas, mas os prêmios foram as boas fotos.

O segredo é respeitar o espaço dos animais e, principalmente, respeitar as instruções que nos dão antes, afinal, estamos entrando num território que têm muitos donos.

Se o respeito acontecer, com certeza, os animais vão te dar boas fotos ao viverem naturalmente diante de suas lentes.

Equipamentos


Ir para um safári é uma experiência incrível. Você lida com os animais bem de perto, entra mesmo no habitat deles, então, fotografá-los exige alguns procedimentos e equipamentos.

Dessa vez, optei por um equipamento ótico mais otimizado: duas lentes, a EF 24-70MM F/2.8L II USM e a EF 70-200MM F/2.8L IS II USM. Quis a versatilidade da 24-70mm e a capacidade fotografar à distância que a 70-200mm tem.

Essa é uma dica: tenha lentes versáteis e que consigam captar a longas distâncias. Nem sempre você pode descer dos carros para fotografar os animais de perto, principalmente, porque alguns deles podem ser mais agressivos.

Então, para a segurança, é legal fotografar de longe.


Além das lentes, você precisa de uma câmera que possua alguns recursos que vão ajudar muito na hora fotografar os animais: autofoco no modo AI SERVO, alta capacidade de ISO, modo de exposição manual e etc.

Nesse aspecto, todas as DSLRs da Canon têm essas funcionalidades e você pode levar o modelo de sua preferência. No meu caso, utilizei a EOS M3, uma mirroless, mas você pode usar todas as câmeras da linha EOS, tanto as da linha Rebel (T5, T6, T5i, T6i e T6s) quanto as demais (EOS 70D, 80D, 7D Mark II, 6D, 5D Mark IV e 1D X Mark II).

Por exemplo, utilizar autofoco é superimportante. Alguns animais não param em seus ambientes e andam constantemente e, nesses casos, utilizar o autofoco é vital para conseguir focalizar o animal em toda a sua movimentação natural.


Fotografe em RAW


Os animais são lindos e o safari é cheio de paisagens incríveis, por isso, procurei fotografar em RAW para valorizar as cores e traços de minhas fotos na pós-produção.

Se um dia puder ir a um safari por lá, fotografe em RAW para ter fotos ainda mais legais. Vale muito a pena.Arquivos em RAW são ótimos para trabalhar  em diversas situações de ISO, por exemplo.

Tanto em ISO baixo para as fotos de dia claro e boa luz, trazendo muito mais informação de luminosidade e cor, quanto em ISOs mais altos como as fotos dos cervos à noite, em que tínhamos pouquíssima luz.  

Usar o ISO nesses cenários pode ser essencial, porque, às vezes, as condições de luz são extremamente limitadas e você precisa aumentar a sensibilidade da sua câmera.

Novamente, as DSLRs da Canon têm essa capacidade de alta sensibilidade de ISO que pode ajudar muito.

Então, a dica aqui é ter uma câmera que tenha boa amplitude de qualidade em ISOs mais altos e trabalhar bem esse recurso.

Abuse do autofoco

Tive que usar bastante o foco automático da câmera. O carro se movimenta, o animal se mexe, as condições de luz mudam e você precisa aumentar a abertura de diafragma, etc. Ativei o foco automático no modo AI SERVO e saí fotografando.


O rastreamento do autofoco AI SERVO das câmeras Canon é bem rápido e confiável. Me apoiei nele muitas vezes usando a EF 70-200MM F/2.8L IS II USM, que é um tipo de  lente que também pede um foco automático em AI SERVO e é ótima para fotografar de longe e não invadir o espaço do animal.

Outra dica boa: usar uma câmera com LCD articulável pode ser muito útil. Ajuda tanto nas selfies com os amigos, quanto para gravação de vídeos em planos mais baixos.

Além de diminuir o reflexo quando se a usa no sol forte que foi o caso em muitas vezes.


Fotografar um safari foi uma experiência inesquecível, se você tiver a oportunidade de ir até a África do Sul, eu recomendo e muito.

Leve sua câmera, tome os cuidados necessários e boas fotos.

Publicado por: Flávio Sampaio Categoria: Inspire-se

Comentários

Deixe seu comentário