teste minha imagem
Google+

Blog 16.10.2017

Entrevista com Cássio Vasconcellos

Cássio Vasconcellos é daqueles fotógrafos que muitos profissionais e entusiastas citam e usam como referência. Seu trabalho é marcado por muita criatividade e imagens que nos impactam logo à primeira vista.

Aliás, outro ponto impactante é a própria carreira de Cássio. Dono de uma estrada cheia de imagens, já foi fotojornalista pela Folha de S.Paulo em 1988, viveu e fotografou Nova York e Paris durante parte do anos 1980 e, atualmente, integra o seleto grupo do livro “The World Atlas of Street Photography”, publicado pela Thames & Hudson, Inglaterra, e pela Yale University Press, EUA, em que traz a série “Noturnos São Paulo”. Também já realizou exposições na China, nos Estados Unidos e na França, além de ter diversas publicações nacionais de suas fotografias.


Foto: Cássio Vasconcellos

O início em uma viagem

O início de Cássio não destoou do de muitos fotógrafos. Um evento especial – uma viagem – foi o estopim para que um mundo de imagens começasse a brotar de seu olhar. “Comecei a fotografar em uma viagem que fiz com meus pais aos 15 anos de idade em que usei a câmera de meu pai. A partir de então, não parei mais de fotografar e logo comecei a cursar fotografia na Escola Imagem-Ação, em 1981. Naquela época, ainda cursava o segundo colegial, mas desde então me dediquei totalmente à fotografia”, relatou o fotógrafo.

Assim como Cássio, você também pode ter esse evento especial em sua vida e começar a fotografar seu mundo. Perceba-se, a fotografia pode estar bem à frente.

Contar histórias com imagens e inspiração – novamente em uma viagem

Fotógrafo novo e cheio de inspiração, em 1984 Cássio criou sua primeira série fotográfica. Novamente uma viagem o inspirou a realizar imagens com o cenário que o rodeava, em Nova York.

“O primeiro projeto foi um ensaio em Nova York sobre as chaminés. Foi em 1984/1985, durante uma temporada de cinco meses que passei por lá. O que me inspirou foram essas estruturas estranhas que rondavam a cidade, sempre a soltar fumaças de vapor. Achei tudo isso muito estranho e diferente do que eu estava acostumado a ver naquela cidade tão emblemática.”

Quando a Canon entrou em sua vida

Cássio descobriu a Canon há mais de 20 anos e incorporou as câmeras e lentes Canon ao seu set de equipamentos. “Eu comecei a utilizar câmeras Canon em 1996, quando troquei todo o meu equipamento 35mm (Full Frame) por Canon e desde então é a única marca de câmera 35mm que utilizo. Foi por sugestão de uns amigos fotógrafos que já tinham esse equipamento”, disse o fotógrafo.


Foto: Cássio Vasconcellos

Existiram e ainda existem muitos motivos para que Cássio optasse por equipamentos Canon. E a qualidade é quem puxa essa fila de razões.

“Eu escolhi usar as câmeras e lentes Canon, pois percebi que a marca sempre esteve à frente das outras, principalmente no início da era digital, quando foi lançada a Canon EOS-1D Mark I, que até hoje é uma câmera excepcional. Escolhi as lentes por achar que tinham um sistema de autofoco muito rápido e preciso, além da qualidade óptica”, disse.


Foto: Cássio Vasconcellos

O sistema de autofoco das lentes já era incrível e vem evoluindo ainda mais desde que Cássio adquiriu equipamentos Canon. O destaque de precisão e rapidez vem muito da tecnologia USM (Ultra Sonic Motor ou Motor Ultrassônico) presente nas lentes Canon.

O USM torna as lentes muito mais precisas e rápidas quando estão em autofoco. Ter lentes Canon com USM eleva, sem dúvida, o nível das imagens.

Projetos com Canon

Os equipamentos Canon já acompanharam Cássio em diversos projetos. Ele mesmo destaca dois deles: o primeiro é a série “Aéreas do Brasil”, e o segundo, “Coletivos”, uma série em que foram feitas fotos aéreas de elementos de forma e cor que, em conjunto, criam verdadeiras experiências visuais.

“Posso destacar dois grandes projetos que realizei com Canon: o primeiro é ‘Aéreas do Brasil’, que resultou em um livro e uma exposição de mesmo nome em 2014. São centenas de fotografias aéreas cuja grande maioria foi feita com Canon EOS-1D Mark II, Canon EOS 5D e Canon EOS 6D (esta tem a grande vantagem de ter GPS embutido e, no caso de fotos aéreas, isso é maravilhoso!). Utilizei essas câmeras por sua grande versatilidade, algo necessário para esse tipo de fotografia. Em um voo de helicóptero, não posso perder tempo e tenho que ter uma câmera rápida, de muita qualidade e confiança.


Foto: Cássio Vasconcellos


Foto: Cássio Vasconcellos

“Também realizei com Canon a minha série ‘Coletivos’. São todas imagens construídas a partir de inúmeras fotografias aéreas. Em ‘Aeroporto’, por exemplo, utilizei centenas de diferentes fotos de aviões que fiz em diversos voos de helicóptero sobre aeroportos do Brasil e dos Estados Unidos. É um aeroporto imaginário, em que criei um desenho próprio. Foram usadas cerca de 800 horas de computador para construir a gigantesca imagem, que mede 2 m x 5 m.”


Foto: Cássio Vasconcellos


Foto: Cássio Vasconcellos

E aquela dica para quem está começando?

Um dos principais fatores para a evolução do realizador de imagens, seja em fotografia ou vídeo, é a prática e o acúmulo de experiência com o passar do tempo. Quando questionado sobre que conselho o Cássio Vasconcellos de hoje daria para aquele Cássio iniciante e também para quem está começando, o premiado fotógrafo foi simples e direto: “A minha dica para quem está iniciando é praticar muito a fotografia, aproveitando as facilidades que a fotografia digital oferece. Sempre acreditar na intuição,  procurar na fotografia o que emociona e esquecer um pouco as regras.”

Assim como Cássio Vasconcellos, explore o mundo da fotografia com seu olhar. Faça isso com uma Canon.

Publicado por: Cássio Vasconcellos Categoria: Inspire-se

Comentários

Deixe seu comentário